segunda-feira, junho 27Notícias Importantes
Shadow

Datafolha: 10 sacadas sobre a pesquisa em que Lula cresce e Bolsonaro trava – Estado de Minas

Montagem com fotos de Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro
Vantagem de Lula sobre Bolsonaro se acentuou, segundo Datafolha (foto: Ricardo Stuckert/Divulgação; Alan Nóbrega/PR)

Do que leio, ouço, interpreto e prevejo a partir da última pesquisa do DataFolha, de quinta-feira, já sem João Doria (PSDB) e a terceira via praticamente restrita a Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB):

  1. Com 48% das indicações contra 27% de Bolsonaro, Lula já tem a maioria dos votos válidos para ganhar no primeiro turno, mantidas as condições de hoje: as mesmas aspirações, os mesmos medos, os mesmos arranjos eleitorais, o mesmo espírito do tempo (zeitgeist, como dizem os alemães). O que é um sonho.
  2. Considerando que 75% dos eleitores de Lula e de Bolsonaro dizem que não mudam seu voto, significa que Lula tem cerca de 36% e Bolsonaro 20% garantidos. Considerada a soma de 56% dos dois, restariam 44% de eleitores indefinidos. Os estatísticos e os políticos tarimbados trabalham com a faixa de 33%, considerando também que há quem não mude voto já decidido nos outros candidatos, de Ciro a André Janones (Avante), de Simone a Pablo Marçal (Pros).
  3. Há uma ligeira onda para resolver a eleição no primeiro turno, provocada pela campanha de Lula e dos sustos das crises provocadas por Bolsonaro. Esse golpe só faria sentido no segundo turno, já que ele não iria contestar a eleição de correligionários e familiares, candidatos a governador, a senador e a deputado.
  4. Piorou o clima para Bolsonaro, diante das crises que produz diariamente, mas principalmente pela situação da economia, que parou de melhorar e não apresenta qualquer perspectiva de melhora em médio prazo. O Auxílio Brasil e suas medidas para tentar reduzir o preço dos combustíveis não tiveram e não sinalizam ter efeito a curto prazo.
  5. Como todas as pesquisas, que traduzem o clima da hora, essa está longe de fatores de alto impacto que a ansiedade atual ajuda a ignorar: as entrevistas individuais e de alto impacto no Jornal Nacional, previstas para a primeira quinzena de agosto, e o horário eleitoral que começa em seguida, de que trato melhor neste vídeo. 
    [embedded content]
  6. Lula deve usar o horário para rememorar o fiasco do combate de Bolsonaro à pandemia e clamar por um clima de paz diante de suas tentações golpistas. Bolsonaro vai mostrar obras, que sempre tiveram efeito importante no horário eleitoral das candidaturas à reeleição, e tentar desmontar o adversário com as denúncias de corrupção reveladas pela Lava Jato e suas companhias, o MST e o MTST, sobretudo.
  7. Ciro Gomes e Simone Tebet, com 7% e 2% nessa pesquisa, respectivamente, não devem subir e furar a polarização até lá. Seus impactos em rede nacional vão depender da perspectiva um tanto quanto implausível de Bolsonaro estar em queda livre e provocando uma onda migratória de fisiológicos e indecisos para alguma alternativa.
  8. Fora a comunicação, também pesam a favor de Lula e Bolsonaro as alianças e articulações, que deixam, a depender só delas, o jogo equilibrado. Lula arrebenta no nordeste, onde ampliou sua vantagem para 61% a 17% nesta pesquisa, que compensa a força de Bolsonaro nos estados do sul, centro oeste e norte. A disputa continuará se dando no sudeste, onde trabalham por palanques duplos, triplos ou fortes.
  9. Lula tem palanque precário no Rio, com Marcelo Freixo, e melhor em Minas, com Alexandre Kalil (PSD). Vai tentar tirar a diferença com o palanque triplo (Fernando Haddad, Márcio França e parte do PSDB de Alckmin) em São Paulo, onde o PT não ganha há décadas. Bolsonaro só tem Tarcísio de Freitas lá, mas está em situação muito melhor em dois palanques fortes no Rio (Cláudio Castro e Marcelo Crivella) e dois em Minas (Romeu Zema e Carlos Viana). Não desconsiderar o apoio de Marcus Pestana (PSDB), no segundo turno.
  10. Ciro e Simone não têm qualquer articulação importante, fora de seus partidos. O PDT de Ciro Gomes tem pouca relevância nacional. O MDB de Simone é o maior partido do país, em representação e capilaridade, mas está marcadamente dividido entre Lula, no nordeste, e Bolsonaro na maior parte do restante do país. Como os candidatos anteriores, pode ser cristianizada, se conseguir, pelo menos, ser confirmada na convenção. No resumo da ópera, Bolsonaro e Lula dependem menos da capacidade de mostrar o que podem fazer, mas de destruir o outro e ao mesmo tempo afastar os medos que ambos representam.

    Acenar com algum clima de paz, de que o país está precisando. Ciro e Simone, de ganharem espaço entre os dois, às custas de comunicação, e da sorte, muita sorte, de se tornarem ondas como ocorreu em eleições passadas, em que a centro-direita foi trocando de candidato à última hora para enfrentar o PT. A situação de Ciro ainda é mais difícil. Não só porque seu perfil truculento e bipolar gera insegurança, mas por ter um discurso de esquerda que assusta a direita que ele precisará conquistar se quiser substituir Bolsonaro. Substituir Lula, esquece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?