sexta-feira, dezembro 4Notícias Importantes
Shadow

Confeiteiro cristão sofre `assédio´ ao se recusar a fazer bolo para trans, diz advogada

Fonte: Guiame / com informações God Reports e Daily Signal / Foto: Reprodução / Alliance Defending Freedom | 26/10/2020 – 10:40

Confeiteiro cristão sofre `assédio´ ao se recusar a fazer bolo para trans, diz advogada

Jack Phillips, o confeiteiro cristão que se recusou a decorar um bolo para um casamento homossexual por causa de suas convicções cristãs, está de volta a um embate judicial.

Desta vez, uma mulher transgênero, Autumn Scardina, está processando Phillips porque o confeiteiro se recusou a desenhar um bolo que celebra a transição de Autumn de homem para mulher.

Para Kristen Wagoner, vice-presidente sênior da Alliance Defending Freedom, um grupo jurídico cristão conservador que defende Phillips, o processo está perpetrando “assédio … porque ele não cria bolos personalizados que expressam mensagens ou celebram eventos em conflito com sua consciência”.

A advogada diz que “o caso dele é sobre o direito de viver, trabalhar e falar de acordo com suas convicções, e não deixar que o governo diga o que fazer”.

“A busca implacável de Jack [Phillips] por este advogado [dos ativistas] foi uma tentativa óbvia de puni-lo por suas opiniões, bani-lo do mercado e arruiná-lo financeiramente e à sua loja”, disse Wagoner à NBC.

“O Colorado parecia estar procurando oportunidades de me punir por minha fé”, disse Phillips.

Caso anterior

Em 2012, Phillips foi processado por um casal gay por não ter aceitado fazer o bolo de casamento deles por sua fé. Em vez de procurarem outro profissional, o casal processou Phillips.

O estado do Colorado juntou-se à causa com multas e punições contra o confeiteiro. Para o God Reports, a esquerda, que vê o bolo como um símbolo da luta contínua pelos Direitos Civis desde os anos 1960, fez do alvo um simples padeiro uma alta prioridade para os holofotes nacionais.

O caso foi parar na Suprema Corte em 2018, onde os juízes descobriram que o Estado do Colorado violou as leis de neutralidade com uma hostilidade aberta contra a religião. Infelizmente, eles não conseguiram esclarecer o conflito emergente entre as liberdades civis e o exercício religioso livre.

Por trás da questão do bolo se escondem questões maiores: as igrejas serão forçadas a se casar com casais homossexuais? Eles serão obrigados a ordenar LBGT como lideranças ministeriais? As passagens da Bíblia serão removidas ou alteradas? O Estado assumirá o controle da igreja?

Kristen Wagoner na loja do “artista de bolo” Jack Phillips. (Foto: Reprodução / The Daily Signal)

Outra questão importante é se os americanos podem depender da proteção da liberdade de religião da Primeira Emenda e da proibição do envolvimento do governo em questões de fé.

Após a eleição presidencial de 2020, que ocupar a Casa Branca nomeará inúmeros juízes federais e juízes da Suprema Corte que provavelmente resolverão essas questões inquietantes.

Conversão

Jack veio a Cristo vindo de uma família de cristãos. Inicialmente, ele não foi muito movido pela fé de seus pais, mas uma manhã Deus o confrontou.

“Senti que Deus entrou no meu carro e me convenceu dos meus pecados”, disse ele ao ADF. “Demorou apenas alguns segundos. Você é um pecador. Você precisa de um Salvador. É Jesus Cristo. Eu disse: Você está certo. Deixe-me limpar minha vida. Ele disse: Você não pode. Eu disse: Você está certo. Eu sou seu. Então, eu entreguei minha vida a Cristo, voltando do trabalho para casa.”

Contar a sua esposa Debi sobre o encontro divino deixou Phillips apavorado. Algumas semanas antes, ela havia criticado um parente por sua fé.

No dia seguinte, ele reuniu coragem. Encontrou Debi na cozinha. “Eu preciso te dizer uma coisa,” ele disse. “Eu me tornei um cristão hoje.”

“Eu também”, ela respondeu. “Há três dias.”

Lágrimas vieram a seus olhos. A partir de então, Phillips e Debi queriam fazer de Cristo o centro de suas vidas, casa e negócios.

Em 1993, ele abriu sua confeitaria e chamou-a Masterpiece Cakeshop, um duplo significado que implicava o trabalho do Mestre no Paraíso. Ele honraria a Deus com sua vocação.

“Não queremos que Deus faça parte de nossas vidas apenas aos domingos. Queremos que Ele faça parte de nossas vidas todos os dias”, diz ele.

Mal sabia Phillips que Deus o chamaria para glorificá-lo de uma maneira maior – na Suprema Corte, onde obteve uma vitória para os cristãos em todos os lugares.

Uma vitória maior ainda é necessária. O tribunal superior ainda não decidiu sobre as questões maiores da liberdade religiosa, que, sem dúvida, serão afetadas pelo resultado da eleição de 3 de novembro.

“Este novo processo nada mais é do que uma tentativa de um ativista de assediar e arruinar Jack porque ele não criará bolos personalizados que expressem mensagens ou celebrem eventos em conflito com sua consciência”, diz Wagoner.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *