sábado, março 6Notícias Importantes
Shadow

Teologia

A palavra não escrita

Artigos Teológicos, ATUALIDADES, Teologia, Uncategorized
A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético. Como os mestres hermetistas italianos do século XX (Montale, Quasimodo, Ungaretti), a cada poema de Jorge somos confrontados pelo toque da Esfinge, “decifra-me ou te devoro”, e mais, “decifra-me e devora-me”: que maior convite pode fazer um poeta, pode propor um poema? [Download em PDF]   Faça o Download (arquivo PDF)
Teologia e Novos Paradigmas: Desafios ao pentecostalismo contemporâneo

Teologia e Novos Paradigmas: Desafios ao pentecostalismo contemporâneo

ATUALIDADES, Teologia
Todo e qualquer conhecimento ou teoria explicativa da realidade, seja no passado, seja no presente, quer seus proponentes estejam cônscios disso ou não, está fincado de um modo ou de outro em algum paradigma. Lembremos que o Cristianismo é uma religião histórica, assim como a fé cristã é uma fé inculturada. Desde sua gênese a fé cristã fincou-se em seu contexto cultural, explicando-lhe sob os fundamentos da revelação e dando vividamente a fé sentido sincrônico, contextualizado e inculturado. A linguagem da Escritura é humana, teológica e socialmente condicionada às estruturas da língua, do contexto histórico-social, e à hermenêutica de sua época. A inspiração é divina, mas a transmissão da verdade é inculturada. A explicação dos mistérios do Reino de Deus, por exemplo, é feita por mei...
Gaudium et Spes: Alegria e Esperança

Gaudium et Spes: Alegria e Esperança

ATUALIDADES, Teologia
Gaudium et spes é considerada pelos intérpretes o documento mais importante do Concílio Vaticano II. E.  Borgman, por exemplo, o chama “de um documento revolucionário”[1].  G. Alberigo acentua que após o período-conciliar não houve nenhuma controvérsia eclesial que não estivesse ligada às afirmações da GS”[2]. Todavia, J. Comblin lê a constituição pastoral mais em seu âmbito sociológico do que teológico-pastoral, apesar de reconhecer este último. Afirma que o documento corresponde ao “olhar dos líderes do episcopado ‘progressista’ da Europa ocidental”, e que o “sinal dos tempos” refere-se exatamente à perda de poder das Igrejas pela sua inadaptação à modernidade” [3]. Outra crítica pertinente, mas ignorada por esses e outros literatos, foi descrita por Clodovis Boff: o duali...
× Como posso te ajudar?